Todos por São Luís

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

UFMA: expansão e investimentos trazem boas avaliações. O desenvolvimento contínuo e o salto de qualidade no ensino, pesquisa e pós-graduação refletem na conquista dos indicadores que colocam a UFMA como uma das melhores instituições do NORTE E NORDESTE

registro de um paparazzi de plantão na formatura do blogueiro, enfim jornalista 
SÃO LUÍS – Ao longo de seus 48 anos de existência, a Universidade Federal do Maranhão passou por diversas transformações. Nenhuma como a vivida nos últimos sete anos. A expansão em infraestrutura, ensino, pesquisa, extensão possibilitou que a UFMA fosse vista como uma das instituições de ensino superior mais bem conceituadas do NO/NE, reconhecimento obtido por meio de diversas avaliações feitas pelo Ministério da Educação (MEC). Na mais importante delas, a Avaliação Institucional Interna, a UFMA obteve nota 4, em uma escala de 1 a 5, conceito apontado como “Muito Bom”, por conta de seu desempenho nos critérios de ‘Planejamento e Avaliação Institucional’, ‘Desenvolvimento Institucional’, ‘Políticas Acadêmicas’, ‘Políticas de Gestão’ e ‘Qualidade da Infraestrutura Física’, que impressionou a comissão de avaliação do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Texeira (Inep/MEC), órgão executor da análise.
reitor Natalino Salgado - responsável pelo crescimento da Ufma 
O Índice Geral dos Cursos (IGC) divulgado pelo Inep é um cálculo que reúne dados institucionais e avaliações e faz uma média – de estatísticas coletadas por três anos - baseada em notas de diversos aspectos dos cursos de graduação e pós-graduação das instituições de ensino superior (IES). O IGC, avalia, inclusive, médias recolhidas pelo Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) - que testa, por meio de uma prova escrita, o rendimento dos alunos dos cursos de graduação em relação aos conteúdos programáticos, habilidades e competências - e pelo Conceito Preliminar de Curso (CPC), criado pelo MEC para representar o que se espera de um curso em termos de qualidade e excelência e que tem base a avaliação de desempenho de estudantes, corpo docente, infraestrutura, recursos didático-pedagógicos e demais insumos.
O ICG 2013, relativo ao triênio de 2011-2013 e divulgado em dezembro de 2014, apontou a média 3 da UFMA, conceito que revela o esforço da Pró-reitoria de Ensino (Proen) em envolver a comunidade acadêmica nas avaliações institucionais que a instituição executa, a fim de fortalecer sua imagem e índices perante o cenário nacional e internacional, favorecendo os estudantes e docentes da universidade. Há expectativa de melhora do IGC para os próximos anos.
Segundo o procurador educacional institucional da UFMA, Romildo Martins Sampaio, os dados apontam a qualidade dos cursos da UFMA. “O curso de Nutrição foi o 19º melhor conceito Enade e 34º melhor CPC entre 200 cursos da mesma área avaliados; Zootecnia teve o 32º melhor Enade e 24º CPC do país entre mais de 60 cursos; Odontologia tem o 36º conceito Enade entre 179 cursos; Farmácia teve 38ª colocação entre 298 cursos e em Enfermagem, a UFMA tem o 52º melhor curso entre 527 do Brasil”, exemplifica.
 Os últimos resultados do Enade divulgados pelo Inep indicam que dos nove cursos da UFMA avaliados por meio do exame, cinco obtiveram nota 4 e dois nota 3, em uma escala de 1 a 5. A média obtida no CPC do último triênio também apontou um cenário positivo: 90% dos cursos da UFMA estão dentro da faixa de conceito 3, 4 e 5, revelando apenas um dos cenários de excelência que a universidade obteve e busca, a cada ano, melhorar ainda mais.
O crescimento contínuo pelo qual a UFMA passou nos últimos sete anos está refletido em dados irrefutáveis. Em 2007, o número de alunos na graduação era de 13.109. Em 2014 chegou a 23.570 estudantes. No mesmo período, a quantidade de cursos de graduação pulou de 43 para 80, enquanto o corpo docente saltou de 903 para 1.711 professores, 90% destes com mestrado ou doutorado.
A UFMA também construiu novos prédios na capital e nos campi do interior maranhense, firmou 898 convênios, criou condições para que 431 estudantes pudessem realizar intercâmbio acadêmico por meio do Programa Ciências sem Fronteiras, implantou o curso de graduação em Libras, informatizou o sistema acadêmico, dobrou o número de bolsistas de Iniciação Científica, implantou o Pronatec, que oferece capacitação a 330 alunos em 11 cursos, fortaleceu seu programa de interiorização, construiu um prédio específico para empresas juniores, entre outras ações.
Todo esse investimento fez com que a UFMA se destacasse em avaliações governamentais e não governamentais. No último Ranking Universitário Folha (RUF), a UFMA subiu de 49,16, de 2012, para 56,57 em 2013, liderando os índices do estado. No ranking, dos 29 cursos de graduação da Universidade Federal, 26 foram classificados entre os melhores do estado e três como segundos melhores. O Guia do Estudante, referência entre os alunos aspirantes a vagas em IES e que avalia os cursos de graduação do país em até cinco estrelas, classificou 33 cursos da Universidade Federal do Maranhão com 3, 4 e 5 estrelas em 2014, um desempenho 65% superior em relação ao ano de 2013. No Conceito do Curso (CC), outra avaliação do MEC, 32 cursos presenciais e na modalidade a distância tiveram destaque: 16 alcançaram conceito “Bom” e 17 entraram na classificação “Muito Bom”.
O desenvolvimento visível, a implantação dos cursos de Medicina e Enfermagem em Pinheiro e Imperatriz, e o empenho em capacitar professores e servidores para aumentar a qualidade do serviço e das pesquisas, tem atraído cada vez mais aspirantes a vagas na UFMA. No primeiro semestre de 2014, 81.891 candidatos se inscreveram no Sistema de Seleção Unificada (SiSU), número que saltou para 134.173 candidatos em 2015, um aumento de 61%.
O aumento na abertura de vagas é outra demonstração inequívoca de crescimento da UFMA: no primeiro semestre de 2014, foram oferecidas 2.268 vagas, enquanto para o mesmo período deste ano são 2.338 vagas, número a ser ofertado também para o segundo semestre de 2015.


Nenhum comentário:

Postar um comentário