sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Saraiva toma posse no Sindicato Nacional dos Fiscais Federais

O engenheiro agrônomo Francisco Saraiva Júnior é convidado especial na posse da nova diretoria da ANFFA Sindical (Sindicato Nacional dos Fiscais Federais Agropecuários), marcada para esta quinta-feira 23 em Brasília. Ele representa simultaneamente o SINFA-MA e a UNAFA, entidades que preside.
Os novos dirigentes da ANFFA foram eleitos em 29 de setembro para mandato de três anos (2014/2017). Ganhou a chapa Consolidação e Renovação, liderada por Maurício Rodrigues Porto. Em mensagem na internet ele agradece aos mais de 1.500 eleitores que escolheram o grupo vencedor.
Na passagem por Brasília, Saraiva Júnior visitará parlamentares no Congresso e autoridades executivas, encaminhando assuntos de interesse da categoria. Também fará consultas para orientar novas reivindicações de interesse dos profissionais.

Joslene Rodrigues é a chefe de gabinete de Flavio Dino

No início da tarde desta sexta (24), o governador eleito Flávio Dino informou por meio das redes sociais também o nome de sua Chefe de Gabinete, que será a professora Joslene da Silva Rodrigues (Lene).
Professora da Rede Estadual de Ensino, Joslene participou da coordenação da campanha de Flávio Dino nos anos de 2006, 2008, 2010 e 2014. Conhecida como Lene, ela faz parte do Diretório Estadual do PCdoB – MA.
Lene é formada em Química pela Universidade Federal do Maranhão  é professora efetiva da Rede Estadual de Ensino do Maranhão.


Doleiro preso na "Lava Jato" incrima Dilma e Lula



Faltando menos de 48 horas para o segundo turno das eleições, a revista Veja, que já está nas bancas, traz reportagem em que o doleiro Alberto Youssef, caixa do esquema de corrupção na Petrobras, revela à Polícia Federal e ao Ministério Público, que o ex-presidente Lula e a atual presidente e candidata à reeleição, Dilma Rousseff, tinham conhecimento do esquema de corrupção na estatal do petróleo.

Preso pela Polícia Federal num hotel da orla de São Luís, em março deste ano, Youssef é acusado de lavar cerca de R$ 10 bilhões em verbas de origem duvidosa. Ele fez acordo de delação premiada e decidiu entregar toda o esquema de Lula, Dilma e seus tentáculos na Petrobras.

Segundo o doleiro, que veio ao Maranhão entregar propina a integrantes do governo Roseana Sarney em troca de liberação do precatório da empreiteira Constran, no valor de R$ 120 milhões, “o Planalto sabia de tudo.” “Mas quem no Planalto?” perguntou o delegado responsável pelo interrogatório e Youssef respondeu: “Lula e Dilma.” 

Até agora, a presidente, o ex-presidente e o PT não se manifestaram sobre a delação do responsável pela lavagem de dinheiro roubado da Petrobras, mas, como sempre, devem dizer que não sabem de nada, a exemplo do Mensalão. 

É bom lembrar que nos últimos tempos, Lula deixou de ser líder operário e se transformou em santo padroeiro dos corruptos. No Maranhão e no Amapá, por exemplo, sempre esteve do lado dos candidatos apoiados pelo velho e manjado senador José Sarney. 

José Arthur Cabral será presidente de futura Empresa de Transportes Urbanos



josecabral
O governador eleito, Flávio Dino, anunciou a criação de uma futura empresa estatal: a Empresa Maranhense de Transportes Urbanos. A futura empresa será presidida por José Artur Cabral Marques.
O governador afirmou que a empresa terá a finalidade de articular e apoiar as prefeituras. Inicialmente, o foco será a integração dos quatro municípios da Grande Ilha, onde existe grande problema de transporte urbano.
Técnico da área de transporte, José Arthur Cabral Marques já foi secretário-adjunto municipal de Trânsito e Transportes.
O futuro presidente é professor da Universidade Estadual do Maranhão, formado em Engenharia Elétrica e tem pós-graduação em Gestão de Transportes. No seu currículo estão também os mestrados em Planejamento de Sistema e em Engenharia de Automação.

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Aulas perdidas por causa de greve são repostas em escolas municipais



Algumas escolas têm aulas aos sábados, e ano letivo se encerrará em março de 2015
 
Escolas da rede pública municipal de São Luís estão aumentando o ritmo de aulas para recuperar a carga horária perdida por causa dos 105 dias de greve dos professores. O dia 18 deste mês foi o terceiro sábado de aulas extras para os alunos. Por causa da greve, o semestre letivo 2014 será encerrado apenas no dia 31 de março de 2015, nas escolas em que houve paralisação das atividades.
A greve dos professores da rede municipal se iniciou no dia 22 de maio e terminou em 4 de setembro, se estendendo por um período de 105 dias. De acordo com a Secretaria Municipal de Educação (Semed), será preciso repor 59 dias letivos. Dos 105 dias sem aulas, foram descontados os fins de semana, feriados e o período de férias escolares que o calendário escolar da rede municipal de ensino tinha, no dia 9 de setembro, quando as aulas foram reiniciadas, após a greve, de 2014.
Esses dias estão sendo repostos mediante calendário elaborado pela Semed e pactuado com o Sindicato dos Profissionais do Ensino Público Municipal de São Luís (SindEducação) para a realização de aulas aos sábados. Na Unidade de Ensino Básico (UEB) Henrique de La Roque Almeida, na Vila Embratel, uma das que tiveram as aulas paralisadas, já ocorreram três aulas extras. Os horários especiais estão sendo ministrados durante a manhã e tarde de sábado, conforme as turmas que precisam de reposição.
A estudante do 7° ano Hémily Caroline Barros, de 13 anos, é uma das cerca de 1.900 estudantes matriculadas na unidade. Ela afirmou que desde o fim da greve as aulas estão ocorrendo normalmente todos os dias, inclusive as de reposição. A única exceção são as aulas de inglês. "Depois da greve a gente voltou a ter aulas normalmente, com todos os horários, menos inglês, porque não tem professor na escola. Mas, por causa da greve, nossas férias vão atrasar, pois as aulas terminam apenas em março", disse.
Segundo o diretor da unidade, José Maria Alves de Sousa, as aulas de inglês não são necessárias nas turmas do 7°, 8° e 9° ano e serão iniciadas no próximo mês, com o retorno à escola de uma professora licenciada. Sobre o calendário de reposição, ele disse que cada escola tem um cronograma específico. "Nem todos os professores entraram em greve. Então, algumas escolas tiveram menos perdas de aulas que outras, assim como as turmas, já que somente as turmas dos professores grevistas ficaram sem aula. Por isso, o calendário foi montado de acordo com a necessidade de cada turma", informou.
Na UEB Rosário Nina, no Bairro de Fátima, também já aconteceram três sábados de aulas extras, mas como nem todos os alunos ficaram sem aula durante os 105 dias de greve, algumas turmas terão férias a partir do dia 16 de março de 2015, de acordo com a diretora da unidade de ensino. O mesmo acontecerá na UEB Monsenhor Frederico Chaves, no São Francisco, onde, mesmo durante a greve, algumas turmas tiveram aulas, normal ou parcialmente.
A dona de casa Elinalva Rêgo, que tem dois filhos matriculados na UEB Monsenhor Frederico Chaves, disse que tem medo de os filhos não recuperarem todo o conteúdo perdido, mesmo com as aulas de reposição. "Desde o fim da greve, meus filhos estão tendo aulas todos os dias, mas mesmo com as aulas extras eu fico preocupada de não repassarem todo o conteúdo, porque foram três meses parados", comentou.
Mas em outras escolas o ano letivo será encerrado no período previsto no início do ano. Na UEB Maria Rocha, na Areinha, as aulas serão encerradas no início de janeiro, já que nenhum professor da unidade aderiu à greve da categoria. "Aqui, nenhum dos nossos professores suspendeu as aulas. Então, estamos seguindo o calendário escolar sem problemas desde o início do ano letivo. Na segunda quinzena de janeiro, nossos alunos entram em férias", informou Aldeíres Lima, diretora adjunta.

Números

130 mil estudantes compõem a rede muni-cipal de ensino público de São Luís
280 escolas compõem a rede de ensino
5.712 professores lecionam nas escolas municipais