Todos por São Luís

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

CONDENAÇÃO: PRESIDENTE DO SINDUSCON EVITA A IMPRENSA E SOME DOS EVENTOS PROMOVIDOS PELA CLASSE EMPRESARIAL


depois da condenação, políticos tentam evitar ser fotografados 
O presidente do Sinduscon -  Sindicato da Indústria da Construção Civil do Maranhão –  Fábio Nahuz,   depois que assumiu a entidade tem tido dificuldade em aparecer em público  em função de ser condenado pela justiça. Alguns presidentes de entidades  empresarias e políticos fogem dele nos eventos para não ser fotografado ao seu lado. A simples presença do novo presidente do Sinduscon nos eventos cria um clima de mal estar na categoria empresarial da construção civil.
Fábio é um dos  envolvidos  no escândalo das  “estradas fantasmas” no Governo José Reinaldo.  O empresário foi condenado a 4 anos e nove meses  e 120 dias de reclusão, multa pelo crime de peculato, e 3 anos e 4 meses de detenção para o delito de fraude em licitação. O presidente do Sinduscon foi envolvido com mais 11 pessoas pelo Ministério Público Estadual por crime de  peculato, formação de quadrilha e fraude em licitação pública.
Marcos Túlio teve que ser afastado da Ascem
Foram condenados João Candido Dominici, Luis Carlos Mesquita (já falecido), José Izidro Chagas da Silva, Márcio Ribeiro Machado, Lourival Sales Parente Filho, Wanderley Silva Oliveira, Winston Sousa Barbosa, Fábio Ribeiro Nahuz, Lauro Gomes Martins, Marco Aurélio Pereira de Oliveira e José de Ribamar Teixeira Vasconcelos. Todos deverão cumprir pena no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, em regime, inicialmente semiaberto.

O presidente tomou posse  na entidade empresarial da construção civil no estado, no dia 28 de maio deste ano. Desde então, ele se  mantém  distante dos holofotes da mídia para evitar eventuais constrangimentos. Caso parecido aconteceu com o ex-presidente da Associação dos Criadores do Maranhão, Marcos Tulio Dominici que foi preso suspeito de extorsão. Dominici teve que ser afastado da presidência da Ascem numa situação de insustentabilidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário